quarta-feira, 31 de janeiro de 2007

Não tenho tempo...


"Saí, Senhor.
Lá fora os homens saíram.
Iam,
Vinham,
Andavam,
Corriam.

As bicicletas corriam,
Os automóveis corriam,
Os camiões corriam,
A rua corria,
A cidade corria,
Todo o mundo corria.
Corriam todos, para não perder tempo:
Corriam no enlaço do tempo,
para recuperar o tempo,
para ganha tempo.

Até logo, doutor, desculpe-me - não tenho tempo.
Passarei outra vez, não posso esperar mais - não tenho tempo.
Termino aqui esta carta - pois não tenho tempo.
Queria tanto ajudar-te - mas não tenho tempo.
Não posso aceitar, por falta de tempo.
Não posso reflectir, nem ler, ando assoberbado - não tenho tempo.
Gostaria de rezar - mas... não tenho tempo.

Compreendes, Senhor, eles não tem tempo.
A criança está a brincar, não tem tempo agora... mais tarde...
O estudante tem os seus deveres a fazer, não tem tempo... mais tarde...
O universitário tem lá as suas aulas, e tanto, tanto trabalho que não tem tempo... mais tarde...
O rapaz pratica desporto, não tem tempo... mais tarde...
O que casou, há pouco, tem a sua casa, deve organizá-la. Não tem tempo... mais tarde...
O pai de família tem os seus filhos, não tem tempo... mais tarde...
Os avós têm os seus netos, não têm tempo... mais tarde...
Estão doentes. Precisam tratar-se... não têm tempo... mais tarde...
Estão à morte, não têm...
Tarde de mais... já não têm tempo.
Assim correm todos os homens atrás do tempo, Senhor.
Passam correndo pela Terra,
apressados,
atropelados,
sobrecarregados,
enlouquecidos,
assoberbados.

Nunca chegam, falta-lhes tempo,
apesar de todos os esforços, falta-lhes tempo,
falta-lhes mesmo muito tempo.
Com certeza, Senhor, erraste os cálculos.
Há um engano geral:
Horas curtas de mais,
dias curtas de mais,
vidas curtas de mais.
Tu que estás fora do tempo, Senhor, sorris ao ver-nos assim a brigar com ele.
E sabes o que fazes.
Não Te enganas quando distribuis o tempo aos homens,
a cada um dás o tempo de fazer o que queres que faça.
Mas é preciso não perder tempo,
não esbanjar tempo,
não matar o tempo,
Pois o tempo é um presente que nos dás.
Presente perecível,
Um presente que não se conserva."

Michel Quoist in "Poemas para rezar"

Uma braçada amiga

6 comentários:

Crystalzinho disse...

Nunca arranjamos tempo para as coisas verdadeiramente importantes... ou utilizamos a falta de tempo como desculpa para não as fazer.
Bjs

Pinguim Alegre disse...

Já está escrito em algum lado que não sei bem onde, que se queres pedir a alguem para fazer alguma coisa, pede aquele que tem o tempo mais preenchido...
Acho que a falta de tempo é a melhor desculpa.

Um braçada amiga

elsa nyny disse...

Olá!!!

Olha eu tive um tempo, para vir aqui e deliciar-me com este "tempo", antes do inicio de mais um dia de trabalho!!!


Muita força pa ti!!!
Tudo de bom!

:))

Pinguim Alegre disse...

Bom dia Elsa, espero que venhas mais vezes e que o teu dia de hoje te corra bem, e que saibas ganhar e perder o tempo certo.

Uma braçada amiga

Anónimo disse...

ola pinguim!!
Como tempo e coisa que espero que nunca me falta para as coisas boas da vida "como vir ler o teu blog que tem vindo a evoluir bastante, a tua escrita esta muito boa "
prometo que hei-de ter sempre tempo para os teus posts.
beijos lili

Pinguim Alegre disse...

Querida amiga Lili, obrigado pelo teu comentário, fico muito feliz por "perderes tempo" a ler os meus textos.

Bjs grandes

"Podemos converter alguém pelo que fazemos nunca pelo que escrevemos."

H.P.