quinta-feira, 2 de agosto de 2007

Um raio de luz...

Sempre me considerei uma pessoa com muita sorte... Não, não falo de sorte ao jogo. Falo daquela sorte de ter sempre ao meu lado pessoas que gostavam de mim, sem ser necessário usar uma máscara de alguém que eu não era.

Ao longo da minha vida fui encontrando pessoas, com quem fui partilhando a minha vida e com o passar do tempo, tornamo-nos cúmplices. E dessa cumplicidade brotou um sentimento que não exige nada; um sentimento que aceita tudo; um sentimento que o tempo não apaga; um sentimento que a distância não destrói...

Foi nos momentos em que estive pior, que eles me mostraram que na minha vida, eles não só meus amigos, são também raios de luz que iluminam o meu caminho quando tudo à minha volta se torna escuro e sombrio. E que não importa o tamanho do meu sofrimento, eles estão ali para me ajudar a carregar esse fardo.

Quando me lembro de cada um deles, percebo o quão rico sou, por ter na minha vida estes amigos.

Uma braçada amiga

4 comentários:

Aragana disse...

Fico feliz por saber!

Nem todos nós o podem dizer|

Beijocas

Gente comum disse...

Lembrei-me das "pegadas na areia"...

O Senhor respondeu-me:
Meu querido filho,
nunca te deixaria só, principalmente
nos momentos mais difíceis

Pinguim Alegre disse...

Aragana, talvez todos nós tenhamos amigos assim, basta estar mais atento...

Bjs

Pinguim Alegre disse...

Ana, um belo poema. Uma mensagem fantástica!

Bjs

"Podemos converter alguém pelo que fazemos nunca pelo que escrevemos."

H.P.